Livro: Obras de Restauro de Prédios Históricos

Coletânea de Casos de Recuperação de Edificações Patrimoniais, elaborado pelo engenheiros Alcio da Costa Pereira e Alexandre da Costa Pereira, Ed. IFRN, 2019. Um livro que estava faltando nas estantes dos profissionais gestores de restauro do patrimônio cultural construído. (Download ao final)

O mundo editorial acadêmico brinda os profissionais da área da preservação dos bens culturais construídos com o livro “Obras de Restauro de Prédios Históricos: Coletânea de Casos de Recuperação de Edifícios Patrimoniais”. A edição surge em boa hora, pois aborda questões sobre a teoria e a prática de

obras em edificações de valor histórico que vêm sendo discutidas no âmbito das instituições nacionais e internacionais de preservação.

As discussões sobre esse tema podem parecer paradoxais, pois a maioria dos teóricos e dos práticos concordam com o aforismo: “as boas práticas se sustentam em boas teorias”. As

polarizações orbitam nas escolhas dos princípios emanados por esse ou aquele teórico, considerado mais importante para a atualidade. Os Brandinianos são loquazes quando advogam

a mínima intervenção necessária e as garantias da integridade e autenticidade do bem cultural pela legitimação do restauro da sua materialidade. Os Muñozistas, equivocadamente considerados liberais, buscam a preservação dos aspectos e funções simbólicas dos objetos, se preocupando com os gostos e as necessidades intangíveis dos usuários. As conciliações com essas antinomias nem sempre resultam soluções de intervenções que satisfaçam seus adeptos, configurando as práticas recortes de

alguns dos aspectos desse, daquele ou de ambos teóricos.

Por outro lado, profissionais que não conseguem viabilizar aspectos fundamentais dos seus projetos, quando da realização das obras e dos serviços de conservação e restauro, devido às superveniências imprevisíveis que deflagram, às vezes, perdas irreparáveis nos bens que procuram salvar. Nesse sentido, testemunham-se inúmeras situações de desperdícios de muitas horas dedicadas às instrumentalizações de projetos de restauro, no atendimento de normativas e manuais que de- terminam como deve ser elaborado um projeto.

Entretanto, na fase de análise do projeto nas entidades responsáveis pelos alvarás de aprovações, não há linhas gerais de princípios que orientem os analistas sobre as condutas que devem prevalecer nos julgamentos. Assim, os projetistas ficam submissos, compulsoriamente, à autoridade do analista de plantão que firma sua simpatia por determinado gosto estético ou viés teórico, sem que haja amparo normativo explícito, mas apenas no reductio ad absurdum do “eu acho que fica melhor assim”. Aliás, há situações ainda mais absurdas quando o projeto, já aprovado, é questionado após iniciadas as intervenções. Essas situações vêm sendo observadas há mais de dez anos nas viagens de estudos e visitas técnicas pelos participantes do Curso Gestão de Restauro/CECI/UFPE.

Esse livro apresenta a experiência dos autores em projetos, destacando-se a realização do projeto de reabilitação estrutural do antigo Grupo Escolar “Augusto Severo”, reconhecido pelo seu valor patrimonial, que se pautou no respeito à autenticidade e integridade da edificação. No seu estudo, são traçadas as principais técnicas disponíveis de reabilitação estrutural, associando-as às reflexões sobre conceitos de autenticidade e integridade e estudos de referência, de modo a obter subsídios para o embasamento e fundamentação teórica para a escolha da melhor solução a ser adotada.

O livro está dividido em quatro capítulos: (1) Restauração do Patrimônio Edificado: Conceitos Fundamentais, (2) A Preservação do Patrimônio Edificado, (3) Estudo do Caso de Recuperação do Edifício do Grupo Escolar Augusto Severo e (4) Estudos de Referência: Casos de Obras de Reabilitação Estrutural em Edificações Patrimoniais.

No primeiro capítulo, é feita a revisão da literatura no âmbito da restauração do patrimônio cultural edificado, tergiversando sobre os principais aspectos e conceitos uti- lizados pelos teóricos sobre autenticidade e integridade, que constam em documentos nacionais e internacionais de preservação. No capítulo seguinte, são abordados conceitos e definições mais atuais sobre reabilitação de estruturas, mostrando a importância do conhecimento dos materiais e das técnicas construtivas utilizados na construção do edifício histórico, como os disponíveis no mercado, para possibilitar soluções inteligentes nas intervenções de reabilitação estrutural. Os autores discorrem sobre as características dos materiais e dos processos de deterioração dos componentes construtivos, como a madeira, o ferro/ aço, o concreto armado, compósitos de fibras naturais e sintéticas, concluindo com as questões sobre as variáveis que devem ser consideradas na escolha dos materiais e das técnicas.

O caso da recuperação do prédio do Grupo Escolar Augusto Severo, localizado no Centro de Natal, na Ribeira, situado entre o prédio da antiga Escola Doméstica de Natal e o Teatro Alberto Maranhão, também é abordado.

Inicialmente, a obra traz considerações iniciais para a contextualização do caso, mostrando a ficha técnica com um breve histórico, as características arquitetônicas da edificação e seu valor como patrimônio protegido pelo Poder Público. Inúmeras imagens, plantas e tabelas ilustram o conjunto construído do Grupo Escolar. São apresentadas as condições gerais do estado de conservação, apresenta as escolhas das áreas objetos da proposta de reabilitação estrutural e faz uma análise pormenorizada das possibilidades de intervenção restaurativa de reabilitação dos diversos espaços e componentes, levando em consideração as possíveis interferências na autenticidade e integridade da edificação.

No quarto capítulo, o livro brinda os leitores com mais nove casos, que denomina de Estudos de Referência com a Igreja do Carmo em Olinda (PE), a Fortaleza dos Reis Magos em Natal (RN) o prédio do antigo BANDERN em Natal (RN), a Igreja São Cristóvão em São Paulo (SP), a Capela dos Mártires de Cunhaú em Canguaretama (RN), o prédio da antiga Escola de Aprendizes Artífices em Natal (RN), o prédio da antiga Casa do Estudante em Natal (RN), as muralhas da Fortaleza Nossa Senhora dos Remédios em Fernando de Noronha (PE) e o Adro da Igreja de São Francisco em Olinda (PE), e, conforme bem registra a obra, “tratam-se de situações em que as edificações foram submetidas a intervenções restaurativas, onde se tornou necessária a utilização de técnicas modernas e tradicionais diversas para a garantia da sua estabilidade por meio da reabilitação estrutural. São edificações consideradas monumentos do patrimônio histórico construído nacional, relevantes e de grande importância por apresentarem casos diferenciados de reabilitação estrutural”.

Este livro também ser visto como uma provocação aos profissionais que atuam no âmbito das obras e serviços de restauro e requalificação estrutural de edificações de valor cultural, uma vez que incentiva a publicação de suas experiências e exposição de seus pontos de vistas, tornando, assim, do conhecimento de todos o que vem sendo feito a nível de pesquisa e prática no país.


Boa leitura.


JORGE EDUARDO LUCENA TINOCO, Arquiteto.


obras de restauro de prédios históricos
.
Download • 34.78MB








1,097 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo